Cora é a mais nova instituição financeira autorizada pelo BC

2 de Julho de 2020
cora_time

No último mês, a Cora recebeu autorização do Banco Central para operar como Sociedade de Crédito Direto (SCD). Com a licença, a Cora se torna a mais nova instituição financeira especializada em pequenos negócios.

A autorização é uma conquista que nos coloca ainda mais perto de realizar o nosso propósito de simplificar a vida financeira de pequenos empresários e oferecer a infraestrutura financeira necessária para que eles prosperem.

Mas, o que essa novidade representa para nossos clientes na prática? A seguir, entenda as características de uma SCD e o impacto dessa regulamentação no mercado financeiro. Confira.

Leia também | De empreendedor para empreendedor: nosso propósito com a Cora

O que é uma SCD?

Para entender o que é uma SCD precisamos conhecer um pouco sobre a atuação das fintechs no Brasil. 

As fintechs são empresas que inovam no mercado financeiro por meio da tecnologia. Neste modelo de negócio, os serviços financeiros são realizados em plataformas online ou aplicativos para dispositivos móveis, o que reduz os custos com agências físicas e que consequentemente não são repassados aos clientes por meio de taxas e demais encargos.

Outra característica marcante das fintechs é a possibilidade de fornecer serviços financeiros diferenciados e personalizados, o que garante mais qualidade. É o caso das fintechs especializadas em pagamentos, crédito, negociação de dívidas, gestão financeira, investimentos ou contas digitais, por exemplo.

Quando falamos em oferta de crédito, dois tipos de fintechs são autorizadas a atuar no país:

  • Sociedade de Empréstimo entre Pessoas (SEP): é a instituição financeira que conecta pessoas e empresas que estão buscando crédito a investidores que desejam emprestar, exclusivamente por meio de plataforma eletrônica. A modalidade também é conhecida como peer-to-peer lending (P2P).
  • Sociedade de Crédito Direto (SCD): é a instituição financeira que tem por objeto a realização de operações de empréstimo, de financiamento e de aquisição de direitos creditórios exclusivamente por meio de plataforma eletrônica.

Agora, a Cora é uma fintech que opera como Sociedade de Crédito Direto (SCD), ou seja, além de todos os recursos oferecidos em nossa Conta Digital PJ, também será possível ofertar serviços de crédito exclusivos para o microempreendedor.

Mas, o que isso quer dizer na prática?

Mais segurança

A Sociedade de Crédito Direto usa recursos próprios para realizar operações de crédito. Assim, ela não pode captar recursos do público para realizar empréstimos, como ocorre com os bancos tradicionais. É, portanto, a instituição financeira mais segura que existe. O dinheiro que o empreendedor escolhe guardar na Cora é somente dele. 

Além disso, a licença como SCD também traz uma validação de segurança vinda do Banco Central, visto que a fintech passa por uma rigorosa análise antes de receber a licença, a fim de garantir a segurança do sistema financeiro.

Mais independência

A SCD também trouxe mais independência para a Cora, sendo possível ampliar nosso escopo de atuação sem a necessidade de parcerias com instituições tradicionais, que não estão alinhadas com o nosso propósito.

Na contramão de outras fintechs, optamos por desenvolver nossos próprios sistemas do zero, a fim de suprir as reais necessidades dos empreendedores brasileiros. E a licença SCD é essencial para tornar isso possível.

Mais agilidade e menos burocracia

A licença também possibilita oferecer ainda mais possibilidades de serviços financeiros para os pequenos negócios. 

Além da emissão gratuita de boletos, transferências (TED) para outros bancos e pagamento de contas e tributos, os clientes da Cora terão um endereço bancário para receber transferências de outras instituições financeiras, além de, em breve, poderem solicitar um cartão corporativo para a empresa, sem taxas abusivas e burocracias.

Essa decisão é fruto de uma nova regulamentação que dá liberdade às fintechs para agir de forma independente de outras instituições financeiras.

Outra mudança significativa ocorreu com o boleto da Cora, que antes era gerado pelo Banco do Brasil e em breve passará a ser emitido por nós. Agora será possível aprimorar o recurso, começando pelo design que está mais bonito e funcional.

Regulamentação das fintechs de crédito

O crescimento do setor de fintechs nos últimos anos trouxe uma série de mudanças tanto no mercado como na legislação. Serviços antes restritos aos grandes bancos agora também são oferecidos por esses novos “players”. Essas startups surgiram com a proposta de revolucionar um mercado, estimulando a concorrência e a consequente melhora dos produtos e serviços financeiros para o consumidor.

Acompanhando essa tendência, em abril de 2018, o Banco Central do Brasil (BC) disponibilizou a a regulamentação para as fintechs de crédito (Resolução nº 4.656/2018) interessadas em se transformarem em instituições financeiras.

O objetivo do órgão regulador era atualizar o sistema financeiro brasileiro diante dos novos avanços tecnológicos e estimular uma concorrência saudável no setor financeiro, até então dominado apenas pelos grandes bancos. O resultado disso foi uma oferta cada vez maior de serviços financeiros mais adequados ao consumidor.

Antes da regulamentação, as fintechs de crédito atuavam como correspondentes bancários, ou seja, dependiam de um banco para formalizarem seus empréstimos. Com isso, os custos eram maiores, já que eram repassados para o cliente. 

Com a nova Resolução, as fintechs autorizadas passam a operar de forma independente por meio de plataformas digitais, sem a necessidade de intermediação por bancos para formalizarem suas operações de crédito.

Veja alguns diferenciais das fintechs:

  • Menores taxas de juros: processos otimizados e automatizados também possibilitam a redução de custos de produtos e serviços. 
  • Redução de burocracia e mais agilidade: a automatização dos processos também possibilita a desburocratização e consequente agilidade nas operações. Hoje é possível abrir contas bancárias e solicitar empréstimos de forma totalmente online, em poucos minutos.
  • Serviços melhores e mais especializados: elas são especializadas em nichos específicos e atuam ativamente na qualidade desses serviços. Ao ofertar menos produtos e soluções, cada fintech se torna especialista em determinado produto e, consequentemente, entregam ao cliente final um serviço de mais qualidade.
  • Tecnologia a serviço do usuário: essas empresas nascem digitais e têm a tecnologia em seu DNA. Elas utilizam os recursos tecnológicos  em prol da praticidade e qualidade. Dessa forma, é possível resolver tudo – ou quase tudo – online e com a segurança de dados garantida.
  • Melhor experiência do consumidor: essas empresas estão preparadas para atender o mais variado perfil de público. Não é necessário ter certa familiaridade com a tecnologia para aproveitar essas vantagens, já que uma de suas principais características é o cuidado em melhorar a experiência do consumidor, incluindo os que não são nativos digitais.
  • Estímulo à concorrência saudável: elas estimulam a concorrência do mercado e impulsionam os concorrentes a melhorar a qualidade dos serviços.

Agora que você já conhece mais sobre a atuação da Cora como Sociedade de Credito Direto, o que acha de experimentar os recursos da nossa Conta PJ? Aproveite a emissão gratuita de boletos de cobrança e experimente a Conta Digital que a sua empresa merece!

banner CTA

Por Equipe Cora